Entre 31 de outubro e 6 de novembro, a semana da divulgação sobre a Dislexia é comemorada no Reino Unido e outros países da Europa.  No Brasil, a semana será tema de palestra durante o 19º Congresso Brasileiro e 8º Internacional de Fonoaudiologia.  Em entrevista realizada no Teatro Ieda Russo, a especialista Ana Luiza Navas, presidente do Instituto ABCD e professora do Curso de Fonoaudiologia da Santa Casa de SP, organização social de interesse público que atua no apoio a profissionais da saúde e educadores que trabalham em prol das dificuldades e dos distúrbios de aprendizagem, especialmente a dislexia, discorrerá sobre o tema “Os Desafios das Organizações não Governamentais e a Fonoaudiologia”.

Segundo Ana Luiza, 4% da população brasileira possui esse transtorno. Curiosamente alguns casos são confundidos com crianças mal alfabetizadas. O diagnóstico é feito por uma equipe multidisciplinar que envolve neuropediatra, psicólogo e fonoaudiólogo, que detém conhecimento científico sobre esta condição.

A dislexia é um transtorno específico e persistente da leitura e da escrita, de origem neurofuncional, caracterizado por um inesperado e substancial baixo desempenho da capacidade de ler e escrever, apesar da adequada instrução formal recebida, da normalidade do nível intelectual, e da ausência de déficits sensoriais. O disléxico responde lentamente às intervenções terapêuticas e educacionais específicas. Porém, somente com estas intervenções adequadas pode melhorar seu desempenho em leitura e escrita. O prognóstico depende ainda de diversos fatores facilitadores como a precocidade do diagnóstico, o ambiente familiar e escolar.

19º Congresso Brasileiro e 8º Internacional de Fonoaudiologia

Período: 30 de outubro a 2 de novembro de 2011

Horário: das 8 às 21 horas

Local: Sheraton São Paulo WTC – Av. das Nações Unidas, 12.559, Brooklin Novo/SP